quinta-feira, 29 de março de 2012

Resumo Administração Financeira I - 1a Unidade


Segundo conceituação de Assaf Neto (2003), o capital de giro, também chamado de capital circulante, corresponde a uma parcela de capital aplicada pela empresa em seu ciclo operacional, o qual engloba desde a aquisição de matérias-primas até a venda e o recebimento dos produtos elaborados. Segundo o autor, a principal característica do capital de giro é a sua volatilidade, ou seja, curta duração de seus elementos e constante mutação dos itens circulantes com outros de mesma natureza. Por exemplo, o produto que estava em estoque é vendido a prazo e transforma-se em duplicatas a receber, que posteriormente transforma-se em caixa (quando do recebimento da duplicata).

O capital circulante líquido (CCL) representa recursos de longo prazo (oriundos do passivo não circulante) que financiam o ativo circulante. Para o seu cálculo serão usadas duas fórmulas, que resultam no mesmo valor:

CCL = (Passivo não circulante +PL) – Ativo não circulante

Ou

CCL = Ativo circulante – Passivo circulante


Podem-se fazer as seguintes interpretações, de acordo com o valor do CCL:

  • CCL > 0, o ativo circulante é financiado também por recursos de longo prazo. Esta situação representa folga financeira;
  • CCL = 0, o ativo circulante é financiado pelo apenas por recursos de curto prazo (passivo circulante) e os recursos de longo prazo estão financiando o ativo não circulante;
  • CCL < 0, Recursos de curto prazo financiando o ativo não circulante, bem como o ativo circulante. Longo, os recursos de longo prazo que a empresa possui não são suficientes para financiar o ativo não circulante. Nesta situação, a empresa encontra-se com alto riso de insolvência (incapacidade de pagar as suas contas).

Deste modo, o CCL > 0 deve ser a situação deseja por toda empresa. Mas será que um CCL positivo basta? Em uma análise mais avançada do capital de giro, tal como proposto por Michel Fleuriet, o CCL além de ser positivo deve também ser maior do que a necessidade de investimento em giro (NIG) da empresa.

Por NIG pode conceituar como sendo as necessidades permanentes da empresa, ou seja, aquelas que sempre ocorrem em cada ciclo operacional, tais como: estoques, salários a pagar, saldo mínimo de caixa, tributos a pagar, etc. Fleuriet propõe a classificação (rearranjo) das contas em ativo cíclico e passivo cíclico. Estas contas, para fins de nossa disciplina, serão resumidas nas seguintes: Ativo cíclico (disponível, estoques e duplicatas a receber) e passivo cíclico (fornecedores, duplicatas a pagar, tributos a pagar).

NIG = Ativo cíclico – Passivo cíclico
Situação desejável: CCL > NIG.

Quando o CCL é menor do que a NIG ocorre o chamado efeito tesoura. Sobre o assunto, acesse o link: 
 http://aulasdefinancas.blogspot.com.br/2012/02/qual-sua-necessidade-de-investimento-em.html

Neste caso, existe um saldo disponível (SD) negativo. Lembrando que SD = CCL – NIG.

Como dissemos anteriormente, o CCL e, conseqüentemente a NIG, tem estreita relação com o ciclo operacional, sendo possível planejar os seus valores a partir da projeção da Demonstração de Resultado de Exercício (DRE) e dos prazos do ciclo operacional. Leia mais sobre o ciclo operacional no link abaixo: 


http://aulasdefinancas.blogspot.com.br/2012/03/administracao-eficiente-do-caixa.html


Anteriormente, também falamos do volume mínimo a ser mantido na conta caixa/bancos, que devido à sua baixa rentabilidade torna pouco atrativo para empresa manter volumes muito altos de recursos nesta conta. Este volume mínimo deve, em uma visão mais estrita, ser o valor a ser considerado como disponível. É a chamada administração do caixa.

Na administração do caixa, existem basicamente dois grandes modelos, Baumol (que considera os fluxos de caixa como previsíveis e constantes) e o de Miller-Orr (que introduz a incerteza dos fluxos na discussão). Estes modelos podem ser vistos no link abaixo: 

http://aulasdefinancas.blogspot.com.br/2012/03/o-modelo-de-miller-orr.html 

Por oportuno, faz-se a seguinte ponderação quanto ao modelo Miller-Orr: h = 3Z, entretanto se for estipulado uma margem de segurança de caixa (L), o h = 3Z – 2L.

Assim, pode-se concluir que existe uma profunda interrelação entre os CCL, os ciclos operacionais da empresa e os níveis mínimos de caixa que devem ser mantidos pela empresa.



15 comentários:

  1. Professor, qual a diferença entre Circulante e Ciclico?

    ResponderExcluir
  2. André, o ativo circulante é caracterizado pelo curto prazo. Nele existem contas que são cíclicas (fazem parte do dia a dia da empresa) e as sazonais (fruto de uma necessidade que não faz parte do ciclo operacional). Assim, o ativo cíclico também é um ativo circulante e representa obrigações que a empresa tem em sua rotina operacional.

    ResponderExcluir
  3. qual a relação entre o tamanho do ciclo operacional e financeiro de uma empresa e sua NIG.

    ResponderExcluir
  4. qual a relação entre o tamanho do ciclo operacional e financeiro de uma empresa e sua NIG.

    ResponderExcluir
  5. Quanto maior for o ciclo operacional (formado basicamente pelos estoques e pelas contas a receber), maior a necessidade de capital de giro. Assim, a empresa deve buscar equilibrar o investimento em estoques e nas suas concessões de crédito, de forma que não venha a aumentar demasiadamente a sua NIG. Quanto ao ciclo financeiro, este deve ser o menor possível, pois quando isto acontece, a empresa reduz a sua NIG.

    ResponderExcluir
  6. Quanto maior for o ciclo operacional (formado basicamente pelos estoques e pelas contas a receber), maior a necessidade de capital de giro. Assim, a empresa deve buscar equilibrar o investimento em estoques e nas suas concessões de crédito, de forma que não venha a aumentar demasiadamente a sua NIG. Quanto ao ciclo financeiro, este deve ser o menor possível, pois quando isto acontece, a empresa reduz a sua NIG.

    ResponderExcluir
  7. Professor, quando o CCL for negativo é possível o NIG ser positivo?

    ResponderExcluir
  8. Sim. o CCL representa os recursos de longo prazo que financiam o ativo circulante. A NIG é a necessidade de capital de giro, ou seja, quanto a empresa precisa para financiar as suas necessidades cíclicas (operacionais). Um CCL negativo, qualquer valor que seja a NIG, representa uma estrutura de alto risco.

    ResponderExcluir
  9. Se o capital de giro líquido for positivo, pode-se concluir que existe recursos de longo prazo aplicados no ativo circulante?

    ResponderExcluir
  10. Se o capital de giro líquido for positivo, pode-se concluir que existe recursos de longo prazo aplicados no ativo circulante?

    ResponderExcluir
  11. Sim. O CCL representa recursos de longo prazo que estão financiando o ativo circulante, mas pode ser que esses recursos não sejam suficientes para atender todas as necessidades.

    ResponderExcluir
  12. Sim. O CCL representa recursos de longo prazo que estão financiando o ativo circulante, mas pode ser que esses recursos não sejam suficientes para atender todas as necessidades.

    ResponderExcluir
  13. Olá! gostaria de tirar uma dúvida a respeito do capital de giro,eu faço o calculo desse capital no balanço e o resultado dar zero , isso significa que é ruim pra empresa?

    ResponderExcluir
  14. Não. Significa que a empresa financia o ativo circulante com o passivo circulante (apenas) e o ativo não circulante com o passivo não circulante e com o patrimônio líquido. Logo, não há recursos de longo prazo financiando o ativo circulante.

    ResponderExcluir
  15. dicas que vão te ajudar nas finanças. Está com problemas financeiros? Calma! Nós separamos algumas dicas simples para você praticar no dia a dia e que Clique Aqui

    ResponderExcluir