segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Já calculou os seus custos hoje?


Adm. Vinicius Caldas* 
Provavelmente você já deve ter ouvido falar a respeito da importância que o conhecimento efetivo dos custos de sua empresa tem como parâmetro na definição dos preços que você irá cobrar por seus produtos e serviços, apesar do mercado ditar as regras do jogo dos preços, não é mesmo?
Aí você pode si perguntar: mas o que são custos e como fazer para defini-los?
René Dutra define os custos como sendo “a parcela do gasto que é aplicada na produção de bens e serviços ou ainda o valor aceito pelo comprador para adquirir um bem ou um serviço”. Adriano Bruni afirma que “os custos vão para as prateleiras, sendo armazenados nos estoques - são consumidos pelos produtos ou serviços durante o seu processo de elaboração”.  Em outras palavras, os custos são inerentes à sua atividade produtiva, logo, você tem que assumi-los para realização dos seus negócios.
Podemos citar como exemplos de custos, o investimento que você realiza na compra das matérias-primas que serão usadas em sua produção; os salários e os encargos sociais que sua empresa desembolsa para pagar a sua folha de funcionários; o valor que é empreendido em marketing e publicidade para divulgação dos seus negócios, dentre outros que diga respeito à execução de suas atividades.
Contabilmente, os custos não são despesas, pois, ao contrário destas, os custos estão atrelados à atividade de elaboração de bens e serviços, ao passo que as despesas se relacionam com as operações de comercialização. Entretanto, gerencialmente, as despesas devem ser consideradas custos, pois o que realmente interessa é determinar o custo final e global por unidade de produção a fim de ser comparado com o preço de venda. Assim, para efeito de apuração do custo total, você não deve fazer distinção entre o que seja custo ou despesa, pois todos serão considerados custos.
Os custos podem ser classificados de acordo com a sua relação com o produto/serviço ou de acordo com o volume de produção/serviço. No primeiro caso, os custos passam a ser diretos (aplicados diretamente ao produto/serviço) ou indiretos (precisam de alguma base de rateio para serem apropriados ao produto/serviço). Na classificação pelo volume de produção/serviço, os custos podem ser fixos (que independem do volume de produção/serviço) ou variáveis (que dependem do volume produzido). É importante salientar que os custos variáveis têm relação direta com os custos diretos, tendo os custos fixos relação direta com os custos indiretos.
Para você poder entender melhor, vamos dar o exemplo de uma padaria. Para fabricar o pão ela tem como custos diretos e variáveis o trigo e o fermento. Quanto mais pão ela fabrica, mais terá que gastar em trigo e fermento, sendo este gasto facilmente apropriado à quantidade de pão produzido. Como exemplo de custo indireto e fixo, a padaria tem o salário da operadora do caixa. Ela não participa do processo produtivo do pão e o seu salário independe do volume vendido pela padaria, logo, é uma mão-de-obra indireta e um custo fixo.
Existem várias formas de rateio dos custos indiretos, que são apropriados levando-se em consideração, dentre outros valores: a mão-de-obra direta, o custo direto, o tempo de produção, dentre outros. O rateio depende de cada caso, e você pode solicitar a orientação do SEBRAE ou de um profissional habilitado para ajudar a sua empresa a encontrar o valor do seu custo efetivo, pois cada empresa tem seu próprio sistema de custo.
Determinando quais são os seus custos incorridos, você poderá reduzi-los e controlá-los, aumentando a sua margem de lucro e se tornando mais competitivo frente aos seus concorrentes, além de manter uma clientela satisfeita e cativa por seus produtos de qualidade e por seu de preço justo. E lembre que você tem muito mais trabalho para conquistar novos clientes, depois de perder os que você tinha para o seu concorrente, do que manter os seus clientes atuais. O porquê disto será visto na próxima edição.
O mais importante de tudo o que acabamos de falar é você entender que conhecer os custos de sua empresa não é questão de escolha, mas sim a única maneira de sua sobrevivência em um mercado que não admite amadorismo.  E não seria bom a sua empresa tornar-se mais competitiva? Pense nisto.
* Administrador, Mestre em Economia e Professor da FSLF.

Nenhum comentário:

Postar um comentário